Áudio de Pegada – Tirando a máscara

Por Eduardo Curi

Quando se mixa uma música, queremos que todos os instrumentos soem com a maior força possível e que tudo seja ouvido sempre. Também queremos que tudo fique alto o tempo todo e que o ouvinte consiga perceber a destreza com que o baterista chuta o bumbo ao mesmo tempo em que ouve o quão pesada é a mão do baixista. Pra isso, a gente coloca tudo no centro, abre um equalizador e dá um ganho de 6 dB no subgrave dos dois instrumentos. Pra completar, aumenta-se um pouco o médio da guitarra e o volume da caixa, que estranhamente diminuiu na hora que a guitarra foi equalizada. Beleza agora, tudo alto e forte o tempo todo. O resultado: um bolo sonoro em que ninguém ouve nem uma coisa nem outra.

Ouvimos em uma faixa de frequência que vai de 20 Hz (o som mais grave que nós, em teoria, ouvimos) e 20.000 Hz (20 kHz, o som mais agudo que nós deveríamos ouvir). Dentro dessas faixas, temos divisões: Subgraves (20 a 60 Hz), Graves (60 a 250 Hz), Médias Baixas (250 Hz a 2 kHz), Médias Altas (2 a 6 kHz) e Agudos (6 a 20 kHz). Cada instrumento trabalha, essencialmente, dentro de determinadas faixas, concentrando sua energia em um espaço específico do espectro sonoro. Quando dois instrumentos, que trabalham em faixas similares são colocados juntos, com a mesma intensidade, um som “mascara” o outro, fazendo com que não consigamos ouvir com clareza nenhum dos dois. Nessa hora, é fundamental que saibamos as faixas de freqüência que cada instrumento musical trabalha para que possamos equalizar de modo a fazer com que tudo soe com clareza no momento certo.

Tabela de frequências dos instrumentos musicais

Tabela de frequências dos instrumentos musicais

Durante o primeiro verso da música você não vai querer a guitarra competindo com a voz, portanto procure as faixas em que os dois instrumentos se chocam e atenue a guitarra ao invés de aumentar o vocal. O baixo ocupa a faixa dos subgraves, portanto você não precisa colocar mais subgrave no bumbo. Atenue as médias baixas do baixo e deixe a martelada do bumbo soar, você verá a força que os dois somados têm. O topo dos pratos está encobrindo a voz? Corte os agudos deles. Mesmo com uma atenuação forte, eles ainda estarão bem aparentes.

Muitas vezes nem será preciso equalizar. Faça automações de volume ao longo da música, deixando em evidência os elementos que conduzem a canção em cada momento.

Fique atento ao panorama (PAN) também. Procure equilibrar a sua mix colocando instrumentos de mesma faixa separados no estéreo. Deixe os graves no centro para servirem de alicerce, coloque uma guitarra um pouco para a direita, outra um pouco na esquerda, coloque a caixa um pouco mais de lado, o hi hat mais na extremidade, splashs, cymbals e crashes distribuídos à sua frente, teclados entre a guitarra e a caixa e faça um teste. O importante é que tudo soe bem, não que soe alto.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Áudio de Pegada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s