Cobertura de Pegada – Festival Garimpo 2008

banner11

Entre os dias 10 e 13/12 rolou em BH o Festival Garimpo 2008. Durante os quatro dias de festival foram 13 bandas, tocando no Teatro Marília, n´A Obra e no Lapa Multshow. O Pegada mais uma vez se desdobrou em um esforço de cobertura para trazer até você tudo o que aconteceu nos palcos e também fora dele, durante os shows.

Quarta-feira
Teatro Marília, 10/12

Uma noite especial. O projeto Quarta Sônica encerra seu terceiro ano de atividades abrindo o festival. Cláudio Pilha, um dos sócios d´A Obra nos conta como a união de iniciativas podem gerar bons frutos

Drop sde Pegada #8

No palco a banda Cinco Rios apresentou seu material novo mesclado a músicas do seu primeiro disco “A Cidade Cai” e mostrando que seu som evolui cada vez mais, adquirindo identidade própria. Harmonias intricadas das oitavas médias do piano, guitarras nada barulhentas e bem cadenciadas – mas nem por isso caretas – e uma cozinha que privilegia o baixo marcado e chimbau pulsante. Tudo isso sob melodias arrastadas e simples em vocais moderados. Apesar dos Cinco músicos, a dinâmica e a mixagem no palco (e a boa acústica do teatro Marília ajuda nisso) enfatizam ao mesmo tempo cada instrumento e valorizam o espaço vazio dentro do som, efeito tão necessário à frieza das composições do grupo. Esse clima é reforçado até pelo jogo de luzes, muito azul e vermelho e até pelos tons, próximo ao Cinza (nome de outra canção deles) nos figurinos dos integrantes.

Uma noite cujo significado todos nós esperamos que se repita nos próximos anos.

Quinta-feira, 11/12
A Obra

estande33

O Pegada começa suas atividades comerciais cuidando do estande do Circuito Fora do Eixo no primeiro dia de festival na Obra. Enquanto isso, os shows começam e quem sobe ao palco, abrindo a maratona sonora é a banda Elephas. O melhor show da noite, logo de saída. O crossover não precisa ser barulhento, o pop não precisa ser 4/4 e o punk pode ser instrumental. Com uma mistura nada ortodoxa e impossível de rotular, a banda tomou de assalto a noite despejando uma massa sonora coesa como poucas vezes se vê em shows de bandas independentes.

Elephas

Elephas

Em seguida foi a vez dos paulistas do Instiga que, com uma formação em power trio, e uma guitarra gostosa de se ouvir trouxeram ótimas melodias pop para BH. Já o Churrus de São João Del Rei fez um show simples e direto, com músicas em inglês no melhor estilo “queria ser londrino”, ecoando as obscuridades do pop feito lá fora. Definately indie.

Sexta-feira, 12/12
A Obra

Por que ler se você pode assistir?

Veja os vídeos dos outros dias do Garimpo 2008 no nosso canal no Youtube!

Abertura no Teatro Marília – Cinco Rios + Gato Jair:
Quinta-feira n´A Obra:
Lapa Multishow Parte 1:
Lapa Multishow Parte 2:

Sábado, 13/12
Lapa Multshow

estrumental22

A última noite de Garimpo em BH trouxe um número maior de bandas pro Lapa Multishow e a TV Outrorock que complementou o estande do Circuito Fora do Eixo, coordenado pelo Pegada. Destaque para o ambiente muito agradável do festival em termos de interação do público, descontração e entretenimento. Além disso, um ponto alto da noite foi a ótima qualidade do som, fator não muito comum dentro de festivais.

No palco, a última noite não poderia ter começado melhor. Os mineiros do Transmissor mostraram o trabalho do seu recém lançado disco, “Sociedade do Crivo Mútuo” e mostraram porque vêm sendo apontados como destaque da cena independente. Um show impecável, levando os poucos presentes daquele momento (muito por culpa da chuva) a cantar junto as músicas. Saem do palco acompanhados dos gritos de “mais um”, mas como se trata de festival, e mais atrações ainda estavam por se apresentar, ficou para um próximo show mesmo.

Em seguida se apresenta um antigo “santo de casa”, que não chegou mesmo a fazer milagre, mas manteve o nível musical da noite; o Estrume´n´tal, banda de surf music da capital mineira. Como sempre, mostrou energia absurda, mas não chegou a empolgar de vez o ainda pequeno público que começava a chegar ao Lapa Multshow. A platéia já era mais numerosa quando subiram ao palco os cariocas do Do Amor, que com seu som meio “irreverente”, ou “ousado” (como é difícil achar adjetivo para essa banda!), fizeram um show excelente, um dos pontos altos da noite. A banda simplesmente não tem um propósito estético definido, o que é ótimo. Experimentalismo, diversão, rock alternativo, bons arranjos e bons músicos, musicalidade incrível, tudo em um único show. Até um “carimbó”, tradicional ritmo da região norte do país, foi colocado dentro do caldeirão musical Do Amor, e funcionou muito bem. Poucos foram os que conseguiram ficar parados durante o show.

O Dead Lover’s Twisted Heart subiu ao palco do Lapa no auge de público da noite. No entanto, parecia que a chuva que caia em Belo Horizonte estava afetando o ânimo da galera. Mesmo com um show cheio de convidados mais que animados (destaque para o insano Jonas Sá), o público assistiu bem comportadamente aos Dead Lover’s.

The Dead Lover´s Twisted Heart

The Dead Lover´s Twisted Heart

Logo em seguida subiram ao palco os paulistas do Cérebro Eletrônico, apresentando as músicas do ótimo CD “Pareço Moderno”. O Cérebro conseguiu segurar a atenção com um show animado e cheio de firulas. Tatá Aeroplano, líder e vocalista, trouxe seus badulaques (de serpentina a extintor de incêndio) ao palco e entreteve o público em meio a ótimas canções, com belos arranjos.

Mas o auge da noite foi o show do Superguidis! A “cozinha” super segura dá liberdade aos guitarristas, Lucas e Andrio, a colorirem as boas músicas da banda. O vocal lembra muito o Gustavo Drummond do Udora, tanto no belo timbre quanto nos tons precisos. Além disso, as letras são divertidas e sinceras, completando os componentes necessários para um ótimo show de uma grande banda.

Diante de um público já escasso, Ricardo Koctus fechou a noite no Lapa com um bom show. Acompanhado por músicos competentíssimos, mostrou composições de seu CD solo de estréia (que estava sendo lançado virtualmente no Festival) e covers de Pixies e Roberto Carlos. O show também teve participações especiais, incluindo a de Bruno Miari, vocalista da banda Monno, tocando “21 dias” do Monno.

Cérebro Eletrônico

Cérebro Eletrônico

Que venham mais festivais como esse!

Equipe de cobertura:

Coordenação e edição:
Eduardo Curi
Reportagem:
Camila Cortielha
Flávio Charchar
Geraldo Paim
Lucas Mortimer
Luciano Viana
Fotos:
Adilson Badaró
Vídeo:
Adriano Singolani

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cobertura de Pegada, coletivopegada, Drops de pegada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s